46. Fagner: “Me Leve (Cantiga Pra Não Morrer)”

Quando você for embora
Moça branca como a neve
Me leve, me leve
Se acaso você não possa
Me carregar pela mão
Menina branca de neve
Me leve no coração


Raimundo Fagner é mais conhecido por sua dicção característica, que ressalta a beleza do sotaque cearense, com suas vogais abertas, e o abundante emprego de melismas. Outra marca de sua cancioneiro é o contato estreito com a literatura, representado pelas diversas faixas de sua discografia que são versos musicados – como a bela “Fanatismo” (de um poema de Florbela Espanca) e, claro, “Canteiros”, que se tornou uma polêmica “parceria” com Cecília Meireles. (Sobre “Canteiros”, leia mais no sítio do próprio artista).

Um poeta constante na obra de Fagner é Ferreira Gullar (1930-2016), que foi muito amigo do cantor e dividiu a autoria de diversas canções, entre elas, a que iremos tematizar hoje. “Me Leve (Cantiga Pra Não Morrer)” é uma balada com certo acento roqueiro, tendo sido lançada originalmente no LP A mesma pessoa (cartaz), de 1984.

A letra-poema é de cortar o coração – sendo uma das favoritas de minha mãe – e merece ser transcrita na íntegra, até por ser curta: “Quando você for embora / Moça branca como a neve / Me leve, me leve / Se acaso você não possa / Me carregar pela mão / Menina branca de neve / Me leve no coração / Se no coração não possa / Por acaso, me levar / Moça de sonho e de neve / Me leve no seu lembrar / E se aí também não possa / Por tanta coisa que leve  / Já viva em seu pensamento / Moça de sonho e de neve / Me leve no esquecimento”.

Note que todo o percurso narrativo é marcado pelo efeito da separação amorosa, que só se aprofunda. A voz que canta inicia a canção com uma súplica, que literalmente se arrasta até o fim da canção, pedindo que a moça/menina branca de neve a leve consigo. Observe que, enquanto a partida da moça é posta como uma certeza (“Quando você for embora”), a proposta para que ela carregue junto o sujeito da canção é sempre tratada em termos condicionais (“Se acaso…”, “Se no coração…”, “E se aí também…”). Em outros termos, se a disjunção aparece como certeza, a conjunção é uma possibilidade mais e mais remota. Nesse aspecto, é devastador o efeito de sentido provocado pela progressão mão → coração → lembrar/pensamento → esquecimento. Da mão ao esquecimento, a conjunção se torna um objetivo cada vez mais etéreo, se desmaterializando mais e mais.

A harmonia também representa esse movimento progressivo, ou melhor, regressivo. Assim, temos dois momentos em que os acordes, que pertencem (em geral) ao campo harmônico de Mi Menor, são lentamente transmutados a partir de graus descendentes no baixo pedal. Isso acontece nos versos iniciais da canção, com a sequência Em → Em/D → C7+ (que pode ser compreendido como um Em/C) → (F#m7) B7. A inesperada passagem por F#m7 demarca o início da súplica: “me leve”. O mesmo movimento de queda antecipa o pedido derradeiro (“Me leve no esquecimento”), o ápice da disforia: Am → Am/G → F#m5-/7 (e que também pode ser lido como um Am/F#).

Fagner, assim, consegue deixar o poema de Ferreira Gullar com tons ainda mais cinzentos e melancólicos. Coisa de cancionista que sabe o que faz.

fagner.jpg
Fagner, a voz do Ceará que insiste na literatura como parceira da canção popular.

Além da original de 1984, existe uma boa versão ao vivo, registrada no disco Me leve – ao vivo (2002). Os timbres, nessa versão, não padecem dos problemas típicos da produção oitentista:

Já no programa Áudio retrato, do canal Bis, Fagner em 2014 registrou uma releitura de “Me Leve” pesada e ainda mais sofrida, com boas intervenções de guitarra:

Como curiosidade, tem a versão que a banda Chalaça propôs para os mesmos versos de Ferreira Gullar. Intitulada apenas com o nome do poema (“Cantiga Para Não Morrer”), essa leitura, presente no álbum Desafogo (2008), é conduzida por bons sons de guitarra e por uma levada toda quebrada na bateria. O ritmo é gostoso, os timbres são bons, o vocal é afinado… mas, infelizmente, perdeu-se a pungência que marca a versão de Fagner. Veja se você concorda:

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s