168. Sá e Guarabyra: “Dona”

Dona
Desses traiçoeiros
Sonhos
Sempre verdadeiros
Oh, Dona
Desses animais
Dos teus ideais


“Dona” é um dos grandes sucessos de Sá e Guarabyra. A canção, apresentada ao público no festival MPB Shell em 1982, tem uma história curiosa.

A dupla acabara de encerrar um show em Goiâia e, já no hotel, os músicos descansavam. Guarabyra estava enamorado por Marisa Saad (filha de João Jorge Saad, fundador da TV Bandeirantes) e, após pegar no sono, sonhou com sua musa. Literalmente: vieram nos sonhos também acordes, melodia e parte da letra.

Depressa, o músico se levantou, conferiu a harmonia ao violão (e, de fato, os acordes eram aqueles que haviam sido sonhados) e foi acordar o companheiro Sá para que, juntos, concluíssem a canção.

Essa estória me soa completamente plausível. Sempre pensei que a letra de “Dona” trazia versos que não se encaixavam absolutamente – como se estivessem apenas atendendo aos imperativos da métrica, alinhados com o tema de exaltação de uma figura feminina. Afinal, a canção é toda baseada no /ser/, não havendo propriamente um desenvolvimento narrativo, uma ou mais ações que norteiem o percurso fórico dos personagens. Nesse sentido, penso que “Dona” poderia até ter menos versos, pois sua mensagem já está claramente transmitida apenas na primeira estrofe – e, diria mais, no próprio título da canção. Mas a exigência por não se soar repetitivo (ou talvez um imperativo onírico, com uma descarga inconsciente de muitos versos) talvez tenha conduzido a dupla a preencher a obra com um conteúdo poético menos lacônico.

De toda forma, “Dona” é uma canção belíssima e, para mim, tem o ápice da emoção no final apoteótico, cheio de modulações harmônicas, que inclusive dispensa uma letra, trazendo apenas vocalizações.

Momento “curiosidade”. O romance entre Guarabyra e Marisa durou cerca de dez anos. De acordo com o músico, o desenlace ocorreu por conta da presença de outra paixão em sua vida, e musa de outra canção: “Espanhola”, famosa na voz da dupla e gravada pelo 14 Bis, entre outros artistas.

Já “Dona” entrou no repertório do Roupa Nova, onde fez também bastante sucesso.

sa-e-guarabyra.jpg
Sá e Guarabira: cantando musas inspiradoras entre um ou outro rock rural.

“Dona” consta em Harmonia (1985) e na trilha sonora da novela global Roque Santeiro.

Mas a versão originalíssima, inscrita no MPB Shell, está no compilado das canções do festival, lançado em 1982. Vale mais pelo registro histórico, essa versão saturada de reverb:

Além dessa versão alternativa, existem outras: a do programa Ensaio, prensada como ábum em 2003 numa série muito bacana do selo Sesc (A música brasileira deste século por seus autores e intérpretes); a do show Encontro marcado (2016), em que Sá e Guarabyra tomam o 14 Bis como banda de apoio (reforçado com o ex-integrante Flávio Venturini); e a do álbum Cinamomo (2018), com timbres renovados e lindos.

Fique com a do show com a banda mineira, que traz uma bela ambiência proporcionada pelos abundantes teclados, além da participação vocal de Flávio Venturini:

Para além desse registro, há outro digno de nota: o do disco Outra vez na estrada (2001), que reúne Sá e Guarabyra com Zé Rodrix, dos tempos em que a dupla era um trio. Confira:

E, como foi dito, “Dona” fez também sucesso com o Roupa Nova, que gravou e regravou a canção em várias oportunidades. Fique com a versão original, que abre o lado-B do quinto LP do Roupa, simplesmente intitulado Roupa Nova:

7 comentários

  1. Essa canção é de fato uma presença constante no repertório do Roupa Nova. Foi a banda que mais ouvi interpretar essa música.

    Curtir

    1. Uma experiência que faltou, em nossos tempos de faculdade, foi ter juntado uma boa turma para assistir a um show do Roupa. Ia ser lindo ver aquele bando de marmanjo chorando e cantando!
      Grato pela visita!

      Curtir

  2. Quando eu vi que era essa musica, corri pra abrir! Engraçado nunca termos falado dela, nem de “Espanhola”… Essas duas fazem parte daquela leva de musicas q a mamãe cantava pra mim qnd eu era pequena! ♡

    Curtir

  3. A música explodiu quando encampou a personagem de Regina Duarte em Roque Santeiro,a vovozinha do Brasil gosta tanto da canção que ”tomou” pra ela;afirmação da atriz.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s